(21) 3182 8282 Whatsapp Agende online
CONTEÚDO CREB SOBRE SAÚDENovidades

Programa de Reabilitação Pós-Covid

O programa de reabilitação Pós-Covid do CREB é indicado para pacientes que evoluíram com fraqueza muscular, dificuldade da marcha, limitações físicas, perda de força e equilíbrio, além de déficits neurológicos em decorrência tanto da internação prolongada, quanto das sequelas diretas da doença.

O processo de reabilitação tem como objetivo o alívio da dor, a recuperação funcional articular, o ganho de massa muscular e o restabelecimento da amplitude articular. O paciente, ao aderir ao programa, será atendido por nossos fisioterapeutas especializados que se utilizam de protocolos específicos visando principalmente devolver ao paciente qualidade de vida e um retorno pleno de suas atividades diárias.

Vacina em pacientes portadores de Doença Reumatológica Autoimune

A campanha nacional do Programa Nacional de Imunização da Gripe ocorrerá no período de 12 de abril a 09 de julho de 2021, sendo fundamental a adesão da população para prevenir o desenvolvimento da doença e o surgimento de complicações e também para reduzir os sintomas que podem ser confundidos com casos de COVID-19.

Pacientes reumatológicos, portadores de doença autoimune e em uso de medicação imunossupressora necessitam de orientações quanto à realização ou não da vacinação, já que alguns tipos de vacina podem levar a interação e ativação com a doença de base. 

A Sociedade Brasileira de Reumatologia formulou orientações que ajudam a esclarecer pontos referentes à vacina da gripe e a pandemia da COVID. Em uma força tarefa publicada recentemente esclarece que pacientes que já foram infectados pela COVID, podem realizar a vacinação já que até o momento não há evidências, de qualquer preocupação de segurança na vacinação de indivíduos com história anterior de infecção ou com anticorpo detectável pelo SARS-CoV-2.

Além disso, também pontua que a campanha de vacinação contra a influenza vai coincidir com a da COVID-19 para pessoas contempladas no grupo prioritário. Nestas situações, é importante que seja priorizada a administração da vacina contra a COVID-19 e depois deve-se agendar a vacina contra a influenza, respeitando o intervalo mínimo de 14 dias entre as vacinas.

É sempre fundamental a busca de ajuda médica, principalmente do reumatologista para que a indicação da vacina seja feita de forma adequada, individualizada, contemplando aspectos da doença e do tipo de tratamento realizado por cada paciente. No CREB você conta com uma equipe de reumatologistas que podem auxiliar.

A artrose não é uma doença somente da terceira idade

Uma das desordens articulares mais comuns, a artrose é uma das principais causas da incapacidade músculo esquelético e acomete em torno de 50% dos adultos com mais de 65 anos. Segundo o ortopedista Clovis Munhoz, do CREB – Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo, e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é um erro acreditar, no entanto, que essa doença ocorre apenas na terceira idade.

“A artrose também acomete aos mais jovens. E isso se dá porque as propriedades mecânicas da cartilagem articular atingem seu pico lá pelos 30 anos, e aí, sim, começam a se deteriorar, notadamente na região dos joelhos e quadris”, explica o ortopedista do CREB.

Ele explica que o nome artrose vem do grego artros e do latim ose, ou seja, articulação e desgaste e que com o passar dos anos, vamos perdemos a lubrificação da cartilagem e, então, “as dobradiças enferrujam”.

As principais causas da artrose

  • O envelhecimento natural ;
  • Movimentos repetitivos, que acabam promovendo desgaste (isso é muito comum em atletas profissionais);
  • Inflamações crônicas;
  • Fraqueza muscular;
  • Fatores genéticos;
  • Traumas em geral;
  • Exercícios de impacto
  • Sobrepeso e, claro, obesidade;
  • Infecções.

“A obesidade é, sim, uma grande inimiga da artrose. Cada quilo excedente pode exercer uma pressão extra de 4 quilos sobre os nossos joelhos. Então, um sujeito que tem 20 quilos acima do peso está vivendo com uma carga extra sobre os joelhos de nada menos do que 80 quilos”, finaliza o ortopedista do CREB, Clovis Munhoz.

A Avaliação Isocinética permite uma análise muscular e avaliação de possíveis desequilíbrios

A Avaliação Isocinética é exame que permite uma análise muscular e avaliação dos possíveis desequilíbrios e déficits musculares das articulações dos membros inferiores. O teste fornece dados de força, potência e resistência muscular, permitindo além da orientação o direcionamento da reabilitação e do treino muscular com objetivo de reestabelecimento e recuperação da perda de equilíbrio das articulações.

O médico ortopedista do CREB, Dr Rodrigo Castelo Branco, explica que o teste é realizado por meio de um aparelho chamado Dinamômetro Isocinético Computadorizado, que registra o trabalho realizado pelo movimento articular. Além disso, Dr Rodrigo esclarece que esse teste está indicado para:

  • Pessoas que sofreram lesões articulares, musculares, ligamentares ou tendíneas, auxiliando no processo de reabilitação;
  • Pacientes pós-cirúrgicos ortopédicos, para avaliação dos resultados pós-reabilitação e liberação médica para atividades diárias e esportivas;
  • Atletas amadores ou profissionais, a fim de avaliar risco e prevenir lesões, atuando como orientador no seu treinamento/ reabilitação.

Recentemente, Dr. Rodrigo avaliou o jogador de futebol do Boa Vista, Fernando Bob, que realizou a avaliação isocinética no CREB. “A principal vantagem ao indicar a Avaliação Isocinética, foi permitir ao meu paciente que é atleta profissional, o direcionamento da musculatura a ser fortalecida na fisioterapia, com objetivo de prevenir possíveis lesões músculo-esqueléticas e de melhorar o desempenho dele durante os jogos.”, esclarece o médico do CREB.

Dieta e Osteoporose

Será que existe algum segredo para mantermos nossos ossos saudáveis? A nossa dieta pode auxiliar de alguma forma na preservação da qualidade óssea? Quais são os alimentos essenciais para quem tem osteoporose? Essas são algumas perguntas que nos deparamos diariamente sobre a influência da dieta no tratamento da osteoporose.

Atualmente é recomendado a ingestão diária de 1000 a 1500mg de carbonato cálcio e de 800 a 1000 ui de vitamina D. Essa dose de cálcio e vitamina D é facilmente encontrada nas farmácias em comprimidos que fornecem a dose necessária, porém muitas vezes a ingestão desses comprimidos leva a para-efeitos no aparelho digestivo, dentre eles a constipação. Somando-se a isso, nos comprometer a usar diariamente
mais alguns comprimidos, além do remédio para pressão alta, diabetes… pode tornar-se uma tarefa mais difícil ainda. Como podemos usar a dieta a nosso favor? Que alimentos podem substituir os comprimidos de cálcio?

O cálcio é um mineral fundamental na constituição de ossos e dentes sendo também fundamentais para melhorar a contração muscular e o ritmo cardíaco. O cálcio é um dos mais importantes elementos do corpo humano: todas as células necessitam de cálcio para funcionarem corretamente. No corpo humano o cálcio encontra-se em 3 locais:

  • no esqueleto, o armazém; onde se encontra guardado 95% do cálcio nas células;
  • no sangue, onde circula para as células;
  • nos órgãos que dele necessitam.

O nosso corpo não consegue fabricar cálcio, por isso todo ele vem da alimentação (ou de suplementos). O cálcio é um dos responsáveis pela força e resistência dos ossos nas várias etapas da vida:

  • na infância e na adolescência: fundamental para o crescimento do esqueleto;
  • até aos 25-35 anos: importante para a obtenção do pico de massa óssea;
  • a partir dos 35 anos: necessário para repor a perda de osso que se começa a verificar;
  • na gravidez e na amamentação as necessidades são maiores: cálcio para a mãe e para o bebê;
  • após a menopausa: com a falta de estrogêneo, é necessário para evitar a perda rápida de osso;
  • depois dos 65 anos: a absorção pelo intestino é pior, pelo que é necessário ingerir mais.

O nosso osso não é capaz de armazenar todo o cálcio que necessitamos, caso não haja uma ingestão adequada do mesmo. Pelo contrário, se o nosso consumo diário de cálcio for menor que o necessário, o cálcio é retirado dos nossos ossos e é utilizado. Por isso você já deve ter ouvido falar em fazer uma “caderneta de poupança” de cálcio, quanto mais consumirmos, melhor, principalmente na infância e adolescência.

Porém deve-se sempre lembrar que níveis adequados de vitamina D no sangue são fundamentais para absorção do cálcio pelo nosso corpo. Sem a vitamina D, nada adianta.

O cálcio não precisa ser ingerido apenas sob a forma de leite ou derivados, como queijo e iogurte. Esses alimentos são a fontes de cálcio mais popularmente conhecidas. No caso de pacientes com intolerância à lactose o consumo de leite e derivados deve ser substituído por outras fontes de cálcio. Segue abaixo uma lista das principais fontes de cálcio:

Quer receber novidades?


O CREB se dedica diariamente a atender seus clientes com toda a atenção e carinho, venha e comprove ❤