(21) 3182 8282 Whatsapp Agende online
CONTEÚDO CREB SOBRE SAÚDENovidades

Tratamento por Ondas de Choque – nas Olimpíadas e no CREB

Depois de sua excelente aceitação entre os atletas que participaram das Olimpíadas de Atenas, em 2004, e do Pan do Rio, em 2007, o Comitê Olímpico das Olimpíadas de Beijing 2008 anunciou que está disponibilizando para todos atletas o TOC – Tratamento de Ondas de Choque. O TOC é hoje o que há de mais moderno no combate a tendinite de ombro, quadril, cotovelo e joelho, bursites, fascite plantar e esporão de calcâneo. Muito indicado pelos médicos nos Estados Unidos e na Europa, começa a conquistar seu espaço no Brasil, pela sua eficácia e sucesso em substituição a vários tipos de cirurgias. O CREBCentro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo – é pioneiro e uma das poucas clínicas no Rio
de Janeiro que oferecem o TOC. Alguns tratamentos podem ser associados ao TOC, como a acupuntura, a hidroterapia e a reabilitação física (fisioterapia), também disponíveis no CREB. Venha conhecer o que há de mais novo em todo o mundo no tratamento dos problemas do sistema músculo esquelético, porque  temos o direito de viver bem, felizes e sem dor!

 

Dr. Arnaldo Libman faz palestra em sinagoga

Convidado para falar sobre qualidade de vida, o Dr. Arnaldo Libman, reumatologista e fisiatra do CREB Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo -, fez uma palestra sobre como evitar problemas e dores na coluna na Sinagoga Shell, em Botafogo. Mais de cem pessoas – em sua maioria da terceira idade – estiveram presentes e participaram da palestra. Dr. Arnaldo apresentou uma série de dicas simples, que devem ser adotadas no dia-a-dia e que podem trazer mais qualidade de vida e evitar problemas de coluna. Essas dicas também fazem parte do livro que o médico publicou – “Cure sua coluna: 50 passos para alivar suas  dores” -, pela editora Best Seller.

     

Dor na coluna: é possível vencê-la

De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS – 80% da população mundial já sentiu, sente ou sentirá dor nas costas. Os dados são alarmantes e preocupam as autoridades e médicos porque a maioria desses problemas é causado por vício postural. Isso mesmo: basta sentar numa cadeira de forma errada, por exemplo, para engrossar as estatísticas, com dores, hérnias de disco, entre outros problemas na coluna.

Manter uma boa postura ao andar, sentar, dormir, dirigir, praticar exercícios físicos faz toda a diferença e certamente traz muito mais qualidade de vida. “O mal posicionamento aumenta as curvas naturais do corpo e pode até levar a inclinação lateral da coluna, o que nos traz contração muscular, bastante desconforto e dores”, explica o médico fisiatra do CREBCentro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo, Haim Maleh. Segundo ele, com o tempo e a falta de exercícios físicos, as pessoas naturalmente passam a andar mais curvadas para frente, o que também pode trazer problemas. Mas, afirma o dr. Haim Maleh, “a má postura é a maior causa de problemas na coluna”.

– Se a pessoa não buscar a ajuda médica, não praticar exercícios e não cuidar de sua postura, é possível que venha a ter problemas maiores como artroses, cardiopatias e hérnias de disco. Alterações na coluna vertebral, como as hiperlordoses – mais comuns nas mulheres – e a hipercifose torácica – freqüente no sexo masculino – são muito constantes – garante o médico do CREB.

O Dr. Haim explica que a mulher possui uma lordose lombar maior que a do homem, pela presença de uma bacia mais larga. “Quando a mulher passa a ter uma hiperlordose lombar, o abdômen se projeta para a frente e a consequência é o aparecimento daquela indesejável barriguinha. Já a cifose se caracteriza por um aumento anormal da concavidade posterior da coluna vertebral localizada no meio das costas, muito comum com o avanço da idade. Essas pessoas possuem ombros e pescoço inclinados para a frente e uma pequena corcunda e geralmente sofrem de dores nas costas, braços e mãos. Já a hiperlordose é o crescimento da curvatura lombar da coluna. O bumbum fica levemente empinado e os principais sintomas são dores nas pernas e nas costas. Pessoas com músculos abdominais fracos e um abdômen protuberante constituem o maior grupo de risco. Nessas pessoas, a flexão do tronco costuma aliviar a dor, o que faz com que elas prefiram manter-se sentadas ou deitadas. Por fim, a escoliose é caracterizada pelo desvio da coluna vertebral para a esquerda ou para a direita, resultando em um formato “S” e deixando um ombro mais alto que o outro”, afirma o médico.

Para o Dr. Haim, no entanto, buscar uma qualidade de vida melhor não é difícil. A prática de exercícios regulares é o primeiro passo, mas a pessoa que sente dores regulares precisa primeiro conversar com o médico, para ser bem orientado. “A dor na coluna tem cura e temos vários protocolos que trazem excelentes resultados. Um deles, por exemplo, é o RPG – Reeducação Postural Global. Outra é a hidroterapia”, determina ele. Dicas para o dia-a-dia também ajudam no combate às dores nas costas. Dr. Haim recomenda que a pessoa não fique muito tempo numa mesma posição, mulheres devem trocar a bolsa de lado com constância, fazer alongamentos simples ajudam muito e é preciso ter muita atenção à forma como você está sentando.

– Quem sente dor deve ser orientado para mudar esse quadro. Um médico poderá dar toda a orientação para a prática de exercícios saudáveis e tratamentos eficientes. Com certeza, você poderá viver melhor, feliz e sem dores – finaliza ele.

Artrose no joelho

Aqueles que sofrem de artrose no joelho podem perder a agilidade, resultante dos sintomas da doença, ou seja, dores, fraqueza e dificuldade física. Estes pacientes tendem, também, a sofrer de hipertensão, diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares. Porém, este quadro tem como ser revertido através de exercícios, que podem causar a diminuição das dores e aumentam a qualidade de vida do paciente. O importante é o paciente praticar exercícios de forma contínua, que ajuda na produção de glycosoaminoglicanas na cartilagem, substância esta que é um indicador fundamental da propriedade viscoelástica.

Muitos pacientes vivem de forma restrita e sofrem constantemente com dores. A visita ao médico é de extrema importância para o acompanhamento clínico e medicamentoso adequado e personalizado; mas, em contra-partida, as consultas não podem se restringir a prescrição de medicamentos: o médico deve indicar e estimular o paciente a praticar exercícios, como aqueles dentro da água – hidroterapia -, caminhadas, bicicleta e até mesmo musculação. Tudo, porém, deverá ser analisado sempre caso a caso e após a avaliação e a orientação do médico reumatologista, ortopedista ou fisiatra.

Além de medicar e acompanhar o desenvolvimento do paciente, o médico deve orientar o paciente a encontrar o melhor caminho: o da atividade física.

1) informar ao paciente da importância e da necessidade de se exercitar;
2) motivá-lo, formulando um simples programa de exercício, que o paciente possa realizar sozinho e no momento que seja possível;
3) orientar a melhor forma de fisioterapia para o seu caso, podendo ser analgésica, preventiva ou de melhora da qualidade muscular.

Segundo um estudo feito nos Estados Unidos, com reumatologistas e pacientes com artrite reumatóide, aqueles que foram orientados a seguir um programa de exercícios por seu médico acabaram praticando a atividade física contínua e obtiveram algum tipo de melhora. No caso da artrose no joelho, o médico deve sempre conversar com o paciente sobre a necessidade e os benefícios do exercício.

O exercício deve começar em casa

Os pacientes que sofrem de uma forma mais branda de artrose no joelho podem se beneficiar de um simples programa de exercícios possíveis de serem feitos em sua própria casa. Porém, o ideal é que estes programas de exercícios sejam seguidos com supervisão, para seu correto cumprimento. No site www.kcl.ac.uk/gppc/escape encontra-se um programa para as primeiras 6 semanas, próprio para aqueles pacientes que estão lidando com a artrose no joelho.

O ideal é recomendar que o paciente inicie a atividade física com um programa de fortalecimento muscular e aumento da flexibilidade, combinado com caminhadas, ou até mesmo bicicleta, ou seja, exercícios básicos e fáceis de serem feitos em casa. No site www.the-rheumatologist.com, em “download issues”, pode-se baixar um programa de exercícios. É preciso incentivar os pacientes a praticarem os exercícios em casa, no momento apropriado, aliados ao tratamento medicamentoso ou fisiátrico proposto.

Evidências Mostradas em Estudos

Aprender como se exercitar corretamente é fundamental para a melhora do paciente, pois será através da prática de exercícios físicos que ele sentirá uma diferença a longo prazo. A continuidade e a disciplina na realização é que permitirá com que se sinta alguma diferença. Aqueles pacientes que iniciam estes tipos de programas apresentam uma melhora significante.

Estes programas poder ser encontrados nos sites:

-Arthritis Foundation Chapter programs:
www.arthritis.org/programs.php

-CDC State Arthritis Program:
www.cdc.gov/arthritis/state_programs/programs/index.htm

-Enhance Fitness, a senior exercise program developed by the University of Washington:
www.projectenhance.org

-A list of self-management programs, including chronic disease, offering in Spanish, and international locations:
http://patienteducation.stanford.edu.

Vale ressaltar que pacientes com artrose no joelho precisarão de instruções e supervisão específica, para que possam aprender, de forma precisa, como devem se exercitar.

A fisioterapia deverá ser indicada pelo médico fisiatra, reumatologista ou ortopedista em casos que:
• o paciente sinta dor;
• o paciente tenha suas funções limitadas;
• haja tentativas sem sucesso de se exercitar; e
• para aqueles que apresentam fraqueza nos joelhos ou até mesmo para os que sofrem com o desalinhamento do pé ou tornozelo.

A tabela 2 (ao final) apresenta os problemas mais comuns, que limitam a habilidade e a mobilidade do paciente, sendo necessário o tratamento com a fisioterapia.

Para controlar a artrose no joelho, o paciente deve se exercitar, pois será através destas atividades físicas que apresentará uma diminuição nas dores, melhorará sua qualidade muscular e amplitude articular e alcançará maior capacidade em sua rotina.

TABELA 1: guia e recomendações de exercícios em pacientes com artrose

Bibliografia: Ottawa Panel:Evidence-based Clinical Practice Guideline for AO
Recomendações:

-Alongamento dos membros inferiores, reduzindo as dores e aumentando a capacidade do paciente. Estes exercícios incluem a isometria, treinamento de resistência dos quadríceps, posterior da coxa e outras extremidades, incluindo o fortalecimento muscular, melhora na
mobilidade e coordenação motora.
– exercícios que utilizam todo o corpo são os melhores para o tratamento de pacientes que sofrem de artrose. São eles: caminhar e correr dentro da água, pois ajudam a fortalecer e, como conseqüência, diminuem as dores. Sugerimos iniciar a hidrginástica quando já liberado da hidroterapia.

Bibliografia: MOVE Consensus for Pain

Recomendações:

– Tanto os exercícios de alongamento quanto os aeróbicos podem reduzir as dores e melhorar a capacidade de movimentos dos paciente com artrose.
– Para que estes programas de exercícios apresentem resultados, é preciso que o médico alerte e informe o paciente sobre os benefícios da atividade física.
-Não há diferença entre resultados de exercícios praticados só ou em grupos. Por isso, o que vale é a preferência do paciente.
-O paciente deve adotar estratégia para fortalecer e manter a continuidade da atividade física, como por exemplo, levar consigo um parente ou amigo para se exercitar junto.

Bibliografia: 2002 Exercise and Physical Activity Conference

Recomendações:

1. Exercícios aeróbicos para o quadril e joelhos em pacientes com artrose:
• 3 A 5 vezes por semana durante 30 minutos por cada vez, com a freqüência cardíaca em no máximo 50-70%.
• Se estiver com sobrepeso, procure fazer uma dieta, além de praticar exercícios.
• Se reeducar para a continuidade e importância de se exercitar.
2. Reabilitação neuromuscular para pacientes com artrose no joelho:
• Deve o paciente se ater a exercícios dos membros inferiores, resultando em fortalecimento, melhor coordenação motora, equilíbrio, capacidade em suas funções e melhor forma física.
• Os programas de exercícios somente irão trazer resultados se forem feitos durante longos períodos de tempo.O paciente deve acompanhar sua evolução com o seu médico.

TABELA 2: os benefícios do programa de reabilitação para aqueles que sofrem de artrose

Dificuldades e limitações: dores
Sintomas:
– dores antes e durante as atividades físicas.
– dores enquanto parado.
Intervenção da fisioterapia:
– estimulação elétrica neuro transcutânea
– acupuntura
– termoterapia
Resultados: diminuição das dores

Dificuldades e limitações: desalinhamento
Sintomas:
– genuvalgo ou genuvaro
– pronação dop tornozelo
– pés com tamanhos diversos
Intervenção da fisioterapia:
– uso de orteses
Resultados:
-melhoras biomecânicas
– diminuição das dores

Dificuldades e limitações: medo de se exercitar
Sintomas:
Aqueles que obtiveram uma experiência ruim no passado com atividades físicas ficam amedrontados e evitam se exercitar
Intervenção da fisioterapia:
– programas individuais e personalizados de ativdades físicas
– supervisão durante estas atividades para que haja um feedback
Resultados:
experiência com muito sucesso e melhora na aderência

Dificuldades e limitações: fraqueza
Sintomas:– dificuldade para se levantar sem usar os braços como apoio
– fraca contração muscular
– dificuldade de se levantar na ponta do pé repetitivamente
Intervenção da fisioterapia:
– treinamento neuromuscular e de equilíbrio
– uso de estimulador elétrico
Resultados:– maior capacidade em suas funções
– diminuição da dor
– melhora no equilíbrio

Dificuldades e limitações: medo de se exercitar
Sintomas:
Aqueles que obtiveram uma experiência ruim no passado com atividades físicas ficam amedrontados e evitam se exercitar
Intervenção da fisioterapia:– programas individuais e personalizados de ativdades físicas
– supervisão durante estas atividades para que haja um feedback
Resultados:
experiência com muito sucesso e melhora na aderência

Dificuldades e limitações: falta de condicionamento físico
Sintomas:
cansaço após 10 minutos ou menos de caminahda leve
Intervenção da fisioterapia:
exercícios aeróbicos progressivos
Resultados:
melhora da forma física do paciente, diminuindo as dores

Dificuldades e limitações: perda de movimentos
Sintomas:
– não consegue flexionar os joelhos
– dificuldade de estender o joelho contra a gravidade
– perda de movimento no quadril e nos tornozelos
Intervenção da fisioterapia:– programa de flexibilidade, alongamento e equilíbrio
– terapia manual
Resultados:
diminuição de dores e aumento na capaidade de se movimentar/locomover

Fibromialgia: você pode ter uma melhor qualidade de vida

Você pode ter uma melhor qualidade de vidaDores generalizadas pelo corpo, nas articulações, na coluna vertebral, nos músculos e nos tendões, dor de cabeça, sensibilidade maior ao frio, formigamento nos pés e ou nas mãos, tonteiras, desânimo, fadiga, dificuldades para dormir, sono não reparador e, ainda, falta de motivação e tristeza. Estes são os sintomas da fibromialgia, uma das doenças reumatológicas que mais levam o paciente ao consultório: cerca de 3 a 5% da população pode apresentar a fibromialgia, dos quais de 80% a 90% são mulheres, na faixa etária entre 30 e 60 anos.

Pela dificuldade em se estabelecer um diagnóstico seguro devido a falta de objetividade dos exames radiológicos e laboratoriais, é muito importante que o paciente procure um reumatologista experiente com essa doença. Ele irá se basear em aspectos clínicos, na avaliação da história familiar e no exame físico do paciente.

“A fibromialgia ainda é pouco conhecida. Entretanto, a familiaridade do médico com a doença faz com que seja tratada de maneira bastante satisfatória, através de medicamentos associados a protocolos de reabilitação, como os que temos no CREB, como hidroterapia em piscina apropriada, acupuntura, além de outras medidas fisiátricas”, explica o médico reumatologista e fisiatra do CREBCentro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo, Eduardo Sadigurschi. “Com a melhora da dor, da mobilidade e do humor, o paciente passa a ter uma melhor qualidade de vida, com uma rotina normal de sono e de suas atividades diárias. Isso é possível”, garante ele.

Para que o tratamento da fibromialgia alcance um resultado ainda melhor, garante o dr. Eduardo Sadigurschi, existem algumas dicas importantes, que devem ser seguidas à risca. A primeira delas, diz ele, é encontrar um médico de inteira confiança do paciente. “Geralmente, os reumatologistas são bem treinados para diagnosticar e tratar esta doença. Mas é fundamental que o tratamento seja realizado por uma equipe interdisciplinar de profissionais de saúde, com reumatologista, fisiatra e fisioterapeuta, para o devido acompanhamento do paciente”, explica ele.

Se desejar mais informações sobre a fibromialgia, ligue para o CREB – (21) 3182-8282. Teremos o prazer em lhe atender.

Quer receber novidades?


O CREB se dedica diariamente a atender seus clientes com toda a atenção e carinho, venha e comprove ❤