CONTEÚDO CREB SOBRE SAÚDENovidades

Um travesseiro inadequado pode trazer problemas para sua coluna

Muitas vezes, a gente acorda com dores na coluna, e acha que isso é fruto de uma simples noite mal dormida, ou um mal jeito qualquer durante o dia anterior. Mas o problema pode estar no travesseiro. Um travesseiro inadequado pode provocar dores constantes e trazer problemas para a nossa coluna vertebral.

“Um travesseiro inadequado pode trazer um desconforto que terá reflexos no dia a dia e pode até ocasionar problemas mais sérios, influindo na nossa qualidade de vida. Para começar, pode trazer dormência nas mãos. Depois, com o passar do tempo, dor crônica nas costas, e até artrose, pequenos desgastes nas vértebras, e desvio na coluna. Claro que tais sintomas também podem acontecer devido a outros fatores, como vícios de postura, genética, obesidade, falta de atividade física, movimentos repetitivos, entre outros. Mas um travesseiro inadequado pode trazer sérios problemas sim”, afirma o Dr. Haim Maleh, fisiatra e reumatologista do CREB – Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo, e professor de reumatologia da UFF.

A correta forma de dormir é posicionando-se de lado

Segundo ele, a correta forma de dormir é posicionando-se de lado, para que a coluna permaneça alinhada. As pernas devem estar dobradas, e os joelhos flexionados, em posição fetal, o que ajuda a aliviar a tensão da lordose lombar. O Dr. Haim diz que dormir sem travesseiro é tão ruim quanto usar um travesseiro inadequado. “Quem tem problemas de respiração ou refluxo deve usar travesseiros que mantenham o corpo mais elevado. O travesseiro não pode forçar a coluna, não pode ser alto ou baixo demais. E deve ser trocado de dois em dois anos, impreterivelmente”, estabelece o médico.

O corpo dá os sinais. É preciso escutá-los para ser ter uma boa qualidade de vida

Uma pesquisa realizada com nada menos do que duas mil pessoas indicou que aos 30 anos, as pessoas começam a apresentar problemas digestivos, aos 32 têm dores nos tornozelos e, aos 37, dores nos joelhos. Aos 50 anos, a maioria das mulheres começam a sentir suores frios. As pessoas que participaram deste estudo disseram que percebem o desgaste físico com o tempo e a maior preocupação é com a saúde do coração. Do total entrevistado, 10% acreditam acredita que o trabalho é o responsável pela saúde fraca e 25% consideram que o estresse contribui para o aparecimento de problemas com a saúde.

Posturas saudáveis na vida

“É muito importante e cada vez mais imperativo adotar posturas saudáveis na vida, como a prática regular de exercício físico, de preferência orientado, pegar sol com os cuidados necessários e optar por uma alimentação controlada e rica em vegetais e frutas. Ao menor sinal de dor, é preciso procurar um médico especialista no aparelho locomotor, que pode ser um fisiatra, reumatologista ou ortopedista. Quanto mais rápido começarmos a tratar, mais chances de sucesso nós temos. Precisamos estar atentos aos sinais que o nosso corpo dá”, afirma Eduardo Sadigurschi, fisiatra e reumatologista do CREB – Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo.

Segundo ele, a idade traz experiências, sabedoria, muitas histórias e, claro, um maior desgaste físico e suas consequências. “As pessoas começam a sentir sintomas, e é preciso estar muito atento, para que se possa diagnosticar o que está acontecendo e tratar. Em medicina, quanto antes começarmos o tratamento é sempre melhor e mais benéfico. Procurar um médico especialista ao menor sinal de dor, por exemplo, é fundamental, ainda mais na terceira idade. Ninguém tem necessidade de sentir dor”, diz ele. Para o Dr. Eduardo, a qualidade de vida depende de uma vida saudável, com bons hábitos relacionados à alimentação e exercício físico, e de estar atento a todos os sinais que o corpo dá.

Gota não é uma doença da terceira idade

Ao contrário do que se imagina, a gora não é uma doença exclusiva da terceira idade. A artrite gotosa acomete jovens também e trata-se de uma doença metabólica, e não exclusivamente articular. A principal característica das pessoas que têm gota é o alto índice de ácido úrico.

“A gota apresenta cristais de ácido úrico intra-articular, que causam inflamação, uma dor lancinante e vermelhidão no local. Geralmente, no início, atinge o dedão do pé (podagra) ou mesmo outras articulações do pé, joelho e tornozelo. É uma dor realmente muito forte”, afirma Sergio Rosenfeld, reumatologista do CREB – Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo.

Segundo ele, o alto índice de ácido úrico é uma das principais características das pessoas com gota, mas isso não é determinante: a pessoa pode ter um índice alto de ácido úrico e não ter o problema, e vice-versa. “A questão é depósito do ácido úrico nas articulações, que geralmente se dá por alteração do PH local. É fundamental que a pessoa se trate e procure um reumatologista regularmente. E é preciso ficar muito atento, porque a gota pode atingir órgãos como o rim, e estar acompanhada de outros problemas, como diabetes e hipertensão arterial, daí a importância de se ter um diagnóstico precoce e tratar. Quem já teve sabe o tamanho da dor que a doença traz”. Segundo o Dr Sergio, além do uso de medicamentos, o paciente deve fazer uma dieta especial para baixar seu nível de ácido úrico.

Tratamento para Síndrome do Piriforme evita a cirurgia

O piriforme é um músculo localizado na região do quadril, próximo do nervo ciático. Quando inflamado, pode causar a compressão do nervo e, assim, causar dor no local, que pode irradiar pela perna. A boa notícia é que há tratamento, com ótimo índice de sucesso, afastando, assim, a necessidade de cirurgia.
“Os principais fatores da chamada Síndrome do Piriforme são a prática exagerada de exercícios para os glúteos, o hábito de passar longos tempos sentados durante todo o dia, variações anatômicas, presença de aderências locais ou bandas fibrosas que restringem o movimento livre do nervo e alterações intrapélvicas”, explica o professor da UFRJ e ortopedista Clovis Munhoz, do CREB – Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo.

O tratamento é feito com medicamentos e cinesioterapia

Para diagnosticar a Síndrome, segundo o Dr. Clovis, é necessária uma avaliação clínica completa do paciente, já que é preciso diferenciar a doença de dores originadas na coluna vertebral ou que possam comprometer a região. O médico poderá solicitar ultrassonografia, raio-X e até ressonância magnética. “Há um desequilíbrio e uma fragilidade muscular na região afetada pela Síndrome do Piriforme. Então, nós costumamos solicitar também um moderno exame chamado Avaliação Muscular Isocinética por Dinamometria Computadorizada. Trata-se de um exame preciso, que indica qual músculo ou grupo muscular está hipotônico, isto é, mais fraco, e que deve ser fisicamente reabilitado. Por meio da avaliação médica, com a história e o exame físico, o médico irá afastar a possibilidade, muitas vezes associada, de compressão, que pode ser oriunda da coluna”, afirma o médico, lembrando que o CREB dispõe desta avaliação.

O Dr. Clovis explica que o tratamento é feito com medicamentos e cinesioterapia, e no CREB utiliza-se protocolos que incluem hidroterapia, pilates terapêutico, eletroterapia e acupuntura, o que agiliza o tratamento e ajuda a eliminar a dor do paciente. Em muitos casos, indicamos também a TOC – Terapia Por Ondas de Choque. Com três a cinco sessões, dependendo da gravidade do caso, temos uma excelente resposta”, finaliza ele.

CREB oferece mais uma novidade para seus pacientes: o eletroestimulador Compex

Compromissado em oferecer aos seus pacientes o que há de melhor e mais novo em tecnologia, o CREB – Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo – acaba de adquirir o Compex, equipamento de eletroestimulação funcional líder do mercado mundial.

O equipamento é voltado para o melhor rendimento esportivo, muscular, recuperação, tratamento da dor, entre outras funções, devido as variações de correntes do aparelho, que vão desde a analgesia e reabilitação, até a performance e recuperação muscular.

O equipamento pode ser utilizado em qualquer pessoa, seja ela um atleta de rendimento, adultos, jovens e idosos. Os principais objetivos do Compex são: tonificar os músculos, construir a força muscular e tamanho, aumentar a circulação e oxigenar, aquecer os músculos para aumentar a flexibilidade e reduzir a probabilidade de lesão, massagem muscular para promover o relaxamento geral, otimizar a recuperação muscular e reduzir a dor muscular, limpar o ácido láctico em excesso e controlar a dor crônica e aguda causada pelo esforço intenso. Fisioterapeutas da clínica foram treinados para tirar o melhor proveito do aparelho em prol de nossos pacientes.

Quer receber novidades?

O CREB se dedica diariamente a atender seus clientes com toda a atenção e carinho, venha e comprove ❤